A SEMANA AGORA

Prefeitura do Rio inaugura o Ginásio Educacional Olímpico Isabel Salgado, primeira arena esportiva da história dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos transformada em escola pública – Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro

fevereiro 7, 2024 | by asemanaagora.com.br

O GEO Isabel Salgado vai atender a cerca de mil alunos em tempo integral – Rafael Catarcione/Prefeitura do Rio

A Prefeitura do Rio entrou para a história, nesta quarta-feira (07/02), com a inauguração do Ginásio Educacional Olímpico (GEO) Isabel Salgado, no Parque Olímpico da Barra, na Zona Oeste. Esta é a primeira vez que um estádio olímpico é transformado em uma escola pública. O novo equipamento educacional será a maior escola da rede municipal de ensino e se tornou o principal marco da retomada do Plano de Legado Esportivo de 2016.  O evento contou com a presença do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e do prefeito do Rio, Eduardo Paes.

– É um dia muito especial para todos nós que vivemos esse sonho. Esse ginásio vai atender a mil crianças. Tudo isso aqui foi feito pensando nelas, com ensino em turno único voltado para a prática esportiva. A gente homenageia a brasileira mais carioca, que é a Isabel Salgado, a Isabel do Vôlei. Que honra a gente poder tomar emprestado o nome e a história dessa mulher para inspirar várias gerações de cariocas – afirmou o prefeito Eduardo Paes.

Na terça-feira (06/02), a Prefeitura do Rio já havia entregue mais legados: dois Ginásios Educacionais Tecnológicos (GET), em Bangu e Santa Cruz, duas das quatro escolas construídas a partir da estrutura da Arena do Futuro, usando o conceito de arquitetura nômade. As outras duas escolas atenderão aos bairros de Campo Grande e Rio das Pedras, a partir de março.

O GEO Isabel Salgado foi batizado em homenagem a um dos maiores nomes do vôlei mundial e atleta olímpica. A escola atenderá cerca de mil alunos, do primeiro ao nono ano, em tempo integral, e é formada por 24 salas de aulas, sala multiuso, sala de apoio pedagógico, refeitório, cozinha, vestiários e banheiros. Além, claro, das instalações esportivas, com duas quadras e locais para a prática de judô, lutas, tênis de mesa e ginástica. As obras duraram 14 meses.

– O Brasil que nossa mãe acreditava é o que está aqui nesta criançada. Ela defendia o esporte como um instrumento de transformação social. Tudo o que ela queria era ver um programa de esportes voltado para a educação, para a construção da cidadania e para a possibilidade de um futuro com maiores oportunidades para essas crianças. Por isso, nenhuma homenagem traria mais alegria para ela e para a nossa família como dar nome a uma escola que integra a educação ao esporte. Nossa mãe é presente e agora também é futuro – destacou Maria Clara, filha de Isabel Salgado. Os outros dois filhos, Carol e Pedro, também estavam presentes ao evento.

Antes da retomada do Plano de Legado, a Arena Carioca 3, agora transformada em GEO Isabel Salgado, recebeu as competições de taekwondo e esgrima durante os Jogos Olímpicos e judô nos Paralímpicos. Até o início das obras da nova unidade educacional, a instalação atendia gratuitamente mais de duas mil pessoas por mês em atividades esportivas e culturais gratuitas, além de receber eventos. Atualmente, as atividades ocorrem provisoriamente na Arena Carioca 2, até serem transferidas em definitivo para o Velódromo.

– Lugar de criança é na escola estudando, para amanhã entrar no mercado de trabalho. Eu quero o jovem na escola, não quero o jovem no tráfico ou trabalhando. Ele vai ter a vida inteira para trabalhar e tem pouco tempo para estudar. Enquanto eu for presidente, a gente vai garantir tranquilidade para as mães verem os seus filhos sendo tratados decentemente na educação. Fico feliz que os filhos da Isabel estão aqui para ver que a mãe deles não foi só a maior jogadora de vôlei, ela se transformou num orgulho nacional – ressaltou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Além do GEO Isabel Salgado, a população carioca ganha, como mencionado acima, quatro escolas oriundas do Legado Olímpico. Com o objetivo de evitar que os investimentos para a realização dos Jogos dessem origem a instalações sem uso, os chamados “elefantes brancos”, a Prefeitura do Rio adotou a arquitetura nômade em grande parte de seu projeto olímpico e, principalmente, na construção da Arena do Futuro, palco das competições de handebol e goalball, nas Olimpíadas e Paralimpíadas, respectivamente.

 

Arena 2 dará lugar ao novo campus do IFRJ

O governo federal aproveitou a cerimônia e anunciou que, a exemplo da Prefeitura do Rio, vai transformar a Arena Carioca 2, também no Parque Olímpico em um novo campus do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ). A unidade educacional vai garantir o acesso ao ensino técnico e profissional para 1.400 estudantes das comunidades da região de Jacarepaguá.

O governo federal, responsável pela unidade de ensino, informou que a entrega da obra está prevista para 2025. A Arena 2 recebeu as disputas de Judô e Luta Olímpica durante os Jogos Olímpicos, e Bocha, nas Paralimpíadas.

– Temos a convicção de que um país só se desenvolve e cresce com justiça social se investir em educação. E educação tem uma relação muito forte com o esporte. Os países que têm mais destaque nas Olimpíadas são aqueles que investem em esportes nas escolas. Portanto, ocupar esse espaço, que é um legado da Olimpíada, com uma escola tem um simbolismo muito forte – disse o ministro da Educação, Camilo Santana.

 

Novas inaugurações ainda em 2024

Além das escolas, dentro deste conceito de reaproveitamento das instalações esportivas dos Jogos para transformá-los em outros equipamentos públicos, a Prefeitura do Rio ainda vai inaugurar, em breve, o Terminal Intermodal Gentileza (TIG), que recebeu as estruturas de aço do Centro Internacional de Transmissão (IBC). O terminal será o elo entre dois dos principais legados de mobilidade de 2016: o BRT e o VLT.

A área de circulação e convivência dentro do Parque Olímpico, que também serviu para interligar as arenas esportivas, está se transformando no Parque Rita Lee. Uma instalação pública com mais de 900 árvores e 16 mil arbustos, quadras esportivas, praças, reforma do skate park, praça molhada e pisos coloridos, que será inaugurada ainda no primeiro semestre de 2024.

Já a piscina do Estádio Aquático Olímpico será montada no Parque Oeste. O parque sustentável ficará em um terreno de mais de 234 mil metros quadrados na Avenida Cesário de Melo, em Inhoaíba, Zona Oeste.  Parte do Velódromo, que também está localizado no Parque Olímpico, receberá o Museu Olímpico.

A continuidade do plano de Legado Olímpico do Rio ficou paralisada entre os anos de 2017 e 2020, por decisão do governo anterior. Mas, a partir de 2021, o município voltou a investir na transformação da cidade para potencializar os benefícios e oportunidades conseguidas com a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, tanto no âmbito esportivo quanto de infraestrutura, que continuam a beneficiar a população carioca oito anos após a sua realização.

 

Rio tem excelência em aproveitamento do Legado Esportivo

Ainda na preparação para a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016, a população carioca começou a ser beneficiada pelo evento mundial. E o GEO é um exemplo. Criado em 2012, é uma escola voltada para o Ensino Fundamental, em tempo integral, e tem como principal objetivo dar oportunidade para os alunos desenvolverem suas aptidões esportivas, sem abrir mão de uma educação de excelência. Atualmente, mais de cinco mil alunos estão matriculados nos 11 GEOs existentes no Rio: Santa Cruz (duas unidades), Pedra de Guaratiba (duas unidades), Santa Teresa, Benfica, Caju, Realengo, Pitangueiras, São Cristóvão e Senador Camará.

Ao longo dos 11 anos do projeto, uma importante alteração foi a ampliação do modelo para os dois segmentos do Ensino Fundamental, passando a atender alunos dos anos iniciais (1º ao 5º), além dos anos finais (6º ao 9º) que deram origem ao programa.

Outro exemplo de sucesso de legado esportivo para o Rio que beneficiou amplamente a população foi o Estádio de Canoagem Slalom, no Parque Radical de Deodoro. Com o término dos Jogos, além de servir para treino dos atletas e a realização de competições, o local, que tem área equivalente a sete piscinas olímpicas, se transformou em uma área de lazer para os cariocas, principalmente, durante o verão. Além de oferecer um amplo parque para o desenvolvimento de atividades sociais voltadas para a prática esportiva e cultural.

O campo de golfe dos Jogos 2016 também elevou o Rio à condição de ineditismo, quando a cidade optou por erguer uma instalação pública, com recursos privados, além de promover a recuperação de uma área ambientalmente degradada. Até a realização das Olimpíadas, o município era dotado de campos em clubes privados, onde somente sócios podem praticar. Em pleno funcionamento, atualmente, qualquer pessoa pode utilizar o equipamento olímpico.

Mas o principal êxito da construção do campo de golfe na Barra da Tijuca foi a recuperação de uma área de proteção ambiental degradada. Com uma extensão equivalente ao bairro do Leme, na Zona Sul, o local teve sua vegetação nativa triplicada, com o uso racional de recursos naturais e em consonância com a biodiversidade.

 

Confira um resumo dos benefícios proporcionados para a população carioca, com a retomada em 2021 da transformação do Legado Esportivo:

 

ARENA CARIOCA 3

Modo Jogos: Recebeu as competições de Taekwondo e Esgrima nas Olimpíadas. E Judô nas Paralimpíadas.

Modo Legado: Ginásio Educacional Olímpico Isabel Salgado

Mais de duas mil pessoas eram beneficiadas por mês em pelo menos uma das atividades gratuitas culturais e de diversas modalidades esportivas, como ginástica, musculação e vôlei, até agosto de 2022, quando a Arena 3 iniciou sua transformação para Ginásio Educacional Olímpico (GEO) Isabel Salgado. Com a construção do GEO, as atividades foram transferidas para o Velódromo e, posteriormente, para a Arena 2, em caráter temporário.

O GEO Isabel Salgado é formado por 24 salas de aulas, recepção, uma unidade de alimentação e nutrição, sala multiuso e outra de apoio pedagógico, área de circulação, sanitários para funcionários e alunos, além de instalações esportivas com duas quadras e locais para a prática de judô, lutas, tênis de mesa e ginástica. Uma escola em tempo integral e que beneficiará cerca de mil alunos.

Maria Isabel Salgado foi um dos maiores nomes do vôlei brasileiro e defendeu mais de dez times em campeonatos nacionais. Talentosa desde muito jovem, teve uma ascensão meteórica e passou a integrar a equipe principal do Flamengo com apenas 16 anos.

Fez história ao ser a primeira jogadora brasileira numa equipe estrangeira, o Modena, da Itália, nos anos 80. Defendeu o Brasil nas Olimpíadas de 1980, em Moscou, e 1984, em Los Angeles. Após encerrar sua carreira, migrou para o vôlei de praia, onde também fez história ao se tornar campeã mundial em 1994. Uma referência no meio esportivo, também atuou um período como treinadora. Em 2016, foi um dos nomes escolhidos para carregar a Tocha Olímpica.

Isabel deixou cinco filhos. Três deles — Maria Clara, Pedro e Carol — atletas que herdaram o talento da mãe e também são referências no vôlei de praia. Nos últimos anos, Isabel se dedicava a cuidar da carreira dos filhos. Sempre presente nas causas em prol da mulher, no esporte, e também líder nas questões dos atletas em geral.

 

ARENA DO FUTURO

Modo Jogos: Recebeu as competições de handebol das Olimpíadas. E o goalball nas Paralimpíadas.

Modo Legado:

Em março de 2022, teve início a desmontagem da Arena para ser transformada em quatro escolas, situadas nos bairros de Bangu, Campo Grande, Rio das Pedras e Santa Cruz, que vão beneficiar cerca de 1.400 alunos. As escolas serão Ginásios Experimentais Tecnológicos (GETs), um novo modelo de ensino implantado na rede que, por meio da abordagem STEAM (Science, Technology, Engineering, Art and Math), desenvolve uma aprendizagem baseada em projetos, atividades mão na massa e recursos que promovam a cultura digital. Cada GET será formado por dez salas de aula, uma de leitura, colaboratório, quadra poliesportiva e áreas administrativas.

Para erguer as escolas, o município utilizou-se do conceito de arquitetura nômade da Arena do Futuro e aproveitou materiais como o breeze (fachada das arenas), divisórias e louças.

As estruturas das arquibancadas e da cobertura da Arena do Futuro foram doadas para o Estádio Luso-Brasileiro, de propriedade Portuguesa, na Ilha do Governador. A doação vai permitir aumentar a capacidade de público do local de 5.044 para 16 mil espectadores.

 

ESTÁDIO AQUÁTICO OLÍMPICO 

Modo Jogos: Recebeu as competições de natação das Olimpíadas e das Paralimpíadas.

Modo Legado:

A piscina utilizada nas competições será montada Parque Oeste. O parque ficará em um terreno de mais de 234 mil metros quadrados na Avenida Cesário de Melo, em Inhoaíba. Será um megaparque sustentável, além de preservar e ofertar novas áreas verdes na cidade para convivência. Vai contar com equipamentos culturais e esportivos. Entre as benfeitorias estão Vila Olímpica, Nave do Conhecimento, quadras poliesportivas, espaço ecumênico, pista de skate, ginásio coberto, palco, além de uma escola para 720 alunos e um Espaço de Desenvolvimento Infantil para cerca de 30 crianças em horário integral. Ainda serão construídos quiosques e um espaço destinado a oficinas. O projeto prevê o cultivo de 1.100 árvores e o plantio de jardins em uma área de aproximadamente 34 mil metros quadrados. A área reflorestada será de 61,8 mil metros quadrados.

 

VELÓDROMO

Modo Jogos: Recebeu as competições de ciclismo dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

Modo Legado:

  • Atividades esportivas gratuitas

Até julho de 2022, o Velódromo esteve sob administração do governo federal. Após a Prefeitura do Rio retomar a instalação, ela passou a oferecer atividades esportivas gratuitas para duas mil pessoas por mês. Essas atividades eram desenvolvidas na Arena 3, que foi transformada em Ginásio Experimental Olímpico (GEO). Com o início das obras do Museu Olímpico, as atividades foram transferidas temporariamente para a Arena 2.

O museu será dedicado ao Movimento Olímpico e contará a história da conquista, da preparação e da realização dos Jogos Rio 2016. Haverá ainda interação e tecnologia para reviver a atmosfera olímpica e também será mostrada a transformação do Rio de Janeiro através do legado olímpico, em imagens e histórias, com destaque para os valores olímpicos e a importância do esporte para o país.

Por ser o mais moderno da América do Sul, o Velódromo recebe ao longo do ano várias competições nacionais e internacionais de ciclismo. As provas não são impactadas por outras ações que ocorrem no local.

 

VIA OLÍMPICA

Modo Jogos: Uma área de circulação e convivência dentro do Parque Olímpico, que também serviu para interligar as arenas esportivas e culminava no “Live Site”, esplanada destinada a eventos em frente à Lagoa de Jacarepaguá.

Modo Legado: 

As obras começaram em fevereiro de 2023 em uma área de 36 mil metros quadrados. O novo parque público natural terá mais de 900 árvores e 16 mil arbustos, quadras esportivas, praças, reforma do skate park, praça molhada e pisos coloridos. Haverá ainda novos mobiliários urbanos, como 465 mesas e cadeiras, 27 brinquedos infantis, 14 aparelhos de ginástica e 14 bicicletários.

 

ESTRUTURAS DO CENTRO INTERNACIONAL DE TRANSMISSÃO (IBC)

Modo Jogos: O Centro Internacional de Transmissão (IBC) recebeu mais de dez mil profissionais de imprensa, que trabalharam no prédio onde funcionavam estúdios e eram geradas as imagens das transmissões oficiais dos Jogos.

Modo Legado: As estruturas de aço do IBC foram utilizadas para a construção do Terminal Intermodal Gentileza (TIG), que vai ser um elo entre dois dos principais legados de mobilidade dos Jogos Rio 2016: o BRT e o VLT. O Terminal Gentileza foi projetado para ser o ponto de chegada ao Rio do BRT Transbrasil, que tem demanda mínima estimada em 130 mil pessoas transportadas diariamente. No local, os passageiros poderão pegar ônibus alimentadores para diversas regiões da cidade, além do VLT – que foi estendido em cerca de 700 metros a partir da Rodoviária Novo Rio – para circular no Centro do Rio e chegar à Central do Brasil, Praça XV e Aeroporto Santos Dumont.

Categoria:

  • 7 de fevereiro de 2024
  • Marcações: escola pública GEO Ginásio Educacdional Olímpico Isabel Salgado Legado Olímpico prefeito Eduardo Paes Prefeitura do Rio Presidente Lula

    RELATED POSTS

    View all

    view all