A SEMANA AGORA

Com Fumacê e mutirões em áreas de maior incidência, Prefeitura intensifica combate à Dengue na Capital – CGNotícias

fevereiro 8, 2024 | by asemanaagora.com.br

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), intensificou as ações de prevenção e combate ao Aedes aegypti – transmissor da dengue, zika e chikungunya – nas regiões com maiores índices de proliferação do mosquito. Os agentes estão percorrendo casa a casa fazendo a orientação dos moradores e o chamado bloqueio, que consiste na identificação e eliminação de focos e potenciais criadouros. Nesta semana, o município retomou ainda o uso do Fumacê para reforçar as ações contra o vetor da dengue.

Conforme a secretária municipal de Saúde, Rosana Leite de Melo, as ações estão sendo intensificadas com o objetivo de evitar que Campo Grande vivencie um surto ou epidemia de dengue. “Estamos agindo de maneira preventiva e estratégica para evitar que a gente tenha um aumento de casos em nosso município. Pedimos que a população receba os nossos agentes e colabore. Se cada um fizer a sua parte, iremos vencer mais essa batalha”, diz.

A dona de casa Carla Regina Meireles, 49 anos, moradora do Bairro São Conrado, elogiou o trabalho realizado pelos agentes e destacou que entende a importância de cada um cuidar do seu quintal.

“Eu sempre gostei de cultivar plantas e sei que é preciso tomar os cuidados para evitar que a água fique parada e se torne um criadouro do mosquito. Além das plantas, eu também tomo cuidado para não deixar nada que acumule água. Aqui em casa, graças a Deus, nunca ninguém pegou dengue. E eu fico com receio porque moro com meus pais que já são idosos. Mas, fazendo a nossa parte tenho certeza que estaremos mais protegidos”, diz.

Trabalho permanente

Desde novembro do ano passado, as equipes da secretaria vêm intensificando as medidas de prevenção e controle do vetor da dengue previstas no Plano de Contingência Municipal, que estabelece metas para conter uma possível epidemia de arboviroses, além de estabelecer diretrizes quanto à assistência e organização de fluxo. As diretrizes foram publicadas no último mês, prevendo estratégias a serem executadas até 2025 para evitar o aumento no número de casos.

Paralelamente ao chamado trabalho de manejo, que consiste na vistoria de imóveis, recolhimento de materiais inservíveis e eliminação de focos, a Sesau também tem reforçado as ações educativas e de mobilização social nas sete regiões urbanas, distritos e assentamentos (Zona Rural) de Campo Grande, para orientar a população sobre as medidas para a prevenção às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Tais iniciativas também são reforçadas na Atenção Primária, por meio das unidades básicas e de saúde da família, e nas escolas em período letivo.

Casos

Do dia 01 de janeiro a 06 de fevereiro deste ano, foram notificados 816 casos de dengue em Campo Grande. Até o momento, não houve a notificação de nenhum caso de zika e apenas 01 chikungunya. Em todo o ano passado a Capital registrou 17.033 notificações de dengue e seis óbitos provocados pela doença. Foram notificados, de janeiro a dezembro de 2023, 92 casos de zika e 176 de chikungunya.

A Capital fechou o segundo semestre do ano passado apresentando redução significativa nos casos de dengue, se comparado com o período anterior. O pico da doença foi registrado em abril, com mais de 3 mil casos notificados. A partir de junho, houve redução expressiva com estabilização nos meses seguintes.

O mais recente Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) realizado em janeiro detectou três bairros com risco de infestação do mosquito, outros 42 em situação de alerta e 28 a situação é considerada satisfatória. O levantamento completo está disponível para download no link: https://www.campogrande.ms.gov.br/sesau/sec-downloads/liraa-janeiro-2024/

Em Mato Grosso do Sul, quatro cidades aparecem com alta incidência dos casos prováveis da doença, segundo boletim epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau). Campo Grande é a cidade que apresenta o menor índice entre os 79 municípios de Mato Grosso do Sul. No país, municípios como Rio de Janeiro (RJ), por exemplo, já enfrentam números alarmantes da doença

RELATED POSTS

View all

view all